Wednesday, October 08, 2008

Eu como com os olhos

Pois então... acho que já nasci mesmo com este defeito de fábrica! Desde bem pequena lembro de passar horas olhando para o teto e imaginando tantas coisas que eu queria ser, ter e fazer e depois de um tempo eu levantava, dava um suspiro e saía satisfeita só por ter imaginado tudo aquilo. Mais tarde, lembro de olhar revistas, paisagens, vitrines, casais namorando, o pôr do sol... e eu já sentia que era um pouco daquilo tudo e tinha um pouco daquilo tudo em mim. E já havia uma satisfação interior.

É claro que eu, às vezes, ficava realmente frustrada de não ter algo ou não ser de um determinado jeito ou não vivenciar certas situações. Costumava dizer que minha vida era são comunzinha e sem graça... Nenhuma aventura, nada de adrenalina, momentos fashion ou ousadias cinematográficas. Nada. Nenhum mecenas descobriu meus talentos ocultos (tão ocultos que nem eu consigo reconhecê-los às vezes...rs); nenhum namorado me telefonou, inesperadamente, avisando que havia um motorista me esperando para me levar ao seu encontro, em um local paradisíaco; nenhum empresário ficou impressionado com algo que eu disse ou fiz e resolveu me contratar para desenvolver um projeto incrível. Não. Nada.

Mas também, se eu pensar com calma, posso concluir que não ia confiar em um louco que dissesse que tenho um talento raro... nem ia gostar de um encontro com o namorado em que eu não pudesse antes me depilar, fazer as unhas - meu Deus! - tomar um banho e passar um creme no corpo ao menos! E esse empresário, heim? Será que esse cara é sério?

Será que eu nunca me dei essas chances?

Será que eu nunca me permiti nada disso porque prefiro ficar saboreando mentalmente as coisas, em um lugar seguro dentro da minha mente, sem correr o risco de sofrer, me decepcionar e quebrar a cara? Ou será que sou uma pessoa desapegada, que realmente não está muito interessada em batalhar por realizações no mundo físico?

Hmmm... Sim, não, talvez! Vou tentar explicar...

Desde muito criança eu sempre perguntava para mim mesma, cada vez que me vinha um desejo: "eu realmente quero isto?" Anos e anos mais tarde, eu me irritava com a pergunta do ex-marido: "você realmente precisa disto?" Mas, vejam bem, fui eu que lancei a moda muitos anos antes. Eu sempre me questionei até que ponto queria algo e esse "algo" podia ser desde um namorado até um vestido, desde um emprego até um estilo. A tradução desta atitude era: qual o preço que eu aceito pagar por isso?

Devo dizer que nunca fui muito disponível para pagar preços altos. Nem em dinheiro vivo e muito menos em energia e disponibilidade. Preguiça? Sim, um pouco sim... Como falei no Via Tarot outro dia, meu pecado de estimação é a preguiça. Mas também a consciência de que nada nesta vida, em especial as coisas materiais podem valer tanto assim.

A verdade é que a minha capacidade de querer, a minha ambição (no bom sentido) surgiu tão tardiamente quanto a minha feminilidade e meu bom relacionamento com o fato de ter nascido mulher. Aliás, eu diria que veio ainda mais tardiamente! E quando não exercitamos muito algo, a musculatura padece.

Existem coisas que eu realmente gostaria de ter, ser e fazer. Eu sonho com elas, eu me alimento das imagens delas, mas eu quero mesmo que elas se manifestem! Mas existem outras coisas que eu só como com os olhos: não quero mesmo ser daquele jeito (mulher misteriosa, sexy e distante); não quero mesmo ter aquilo (pick-up 4X4) ou fazer aquilo outro (ter atitudes irresponsáveis ao invés de esquentar a cabeça por tudo), mas, poxa, é tão bom pensar que quero e posso ser, ter e fazer aquilo tudo!

Às vezes me pergunto qual a função dos desejos... Se servem para nos motivar a lutar por eles ou se servem para aplacar a fome do que não temos, conhecemos, entendemos. E muitas vezes essas fomes são projeções de algo que queremos mas que é tão abstrato, tão inimaginável, que só nos resta procurar em volta um objeto do desejo para substituí-lo.

Não sei... Tem coisas que eu prefiro comer só com os olhos. Tem outras que prefiro comer com o corpo e a alma. Mas é preciso ser tão corajosa para fazer isso! Em alguns aspectos da minha vida, como nos relacionamentos afetivos, sempre consegui essa coragem. Mas em outros... Só em sonho mesmo. Levando-se em conta que fiquei mocinha depois dos 30 e mulherzinha depois dos 40, creio que ainda há tempo para ficar totalmente corajosa e me alimentar de todas as delícias do universo.

3 comments:

Hazel said...

Estava a ler este post - maravilhosamente escrito, por sinal - e parecia que era um eco dos meus pensamentos...
Temos muito em comum (acho que já tinha mencionado isto antes).
Também me questiono muitas vezes se valerá a pena o esforço, os riscos envolvidos e o tempo dispendido num qualquer empreendimento que, mais tarde, se poderá revelar em vão.
Vejo o caso de pessoas próximas, que têm sido cruelmente afectadas com doenças terminais, que ficam com as vidas em stand by até morrer. Que, de repente, tudo aquilo que achavam que era importante, deixou atá de constar nos seus pensamentos... e penso que mais vale ser feliz. Não desperdiçar energias e tempo. Usá-las, sim, da melhor forma. Mesmo que essa forma seja o contrário daquilo que todos os outros fazem.
E é isso que eu faço...

Cláudia Mello said...

É... Já percebi que temos muito em comum... Mas, sabe, sempre me pergunto se essa atitude é resultado de um espírito desprendido ou de um ato de covardia. Acho que às vezes é uma coisa e às vezes outra... Mas gostaria que fosse só espírito desprendido...rs

Hazel said...

Pois, também tenho a mesma dúvida. Mas acho que, por vezes, oscila entre uma coisa e a outra.