Monday, September 27, 2010

A dor e a delícia de se mudar de DNA

A quantidade de artigos e entrevistas sobre a mudança de DNA - também chamado "processo de ascensão" - que encontramos pela Internet é impressionante! Este assunto já estava circulando na rede há algum tempo, mas nunca me chamou tanto a atenção até seis meses atrás. Foi quando eu comecei a ter crises de pânico, sem nenhuma razão aparente, e quando a minha menstruação desapareceu e comecei a ter sintomas de menopausa, apesar de ter 42 anos e de ser de uma família em que as mulheres entram na menopausa perto dos 60 anos.

Nestes seis meses passei por várias fases. No começo, custei a acreditar que não estava gravemente doente. Achava que ia morrer mesmo e é uma coisa tão angustiante, que não conseguia expressar o que estava sentindo: não chorava, não pedia socorro e às vezes não conseguia nem ao menos ligar para o meu médico homeopata, apesar dele me deixar sempre a vontade para procurá-lo a qualquer hora do dia ou da noite. De um modo geral, minha vontade era de, simplesmente, abrir a porta de casa e sumir... Andar tanto, pra algum lugar não específico, desaparecer do meu mundo conhecido.

Nesta fase inicial, lembro que meus minutos de alegria diários eram quando eu pegava carona de moto para a escola e que sentia o vento gelado batendo em mim. O vento frio, apesar de eu ser, normalmente, muito friorenta, causava um certo alívio dos sintomas. Qualquer contato físico era, para mim, meio torturante, eu sentia uma certa aversão à proximidade física e carinho. Minha cabeça não parava de funcionar, com pensamentos invasivos sendo disparados em uma rapidez tão impressionante, que eu podia jurar que estava enlouquecendo pra valer!

Não quis ir ao psiquiatra, apesar de ouvir várias recomendações para fazer isso. Preferi me tratar com homeopatia (minha opção desde os 17 anos), acupuntura e terapia craniossacral. Além disso, fazia Reiki em mim mesma todos os dias, praticava o Ho'oponopono e mais adiante comecei a fazer yoga terapia hormonal, uma técnica desenvolvida por Dinah Rodrigues (vale a pena ler o livro). Na verdade, eu não me conformava muito com esta história de Síndrome do Pânico & Menopausa Precoce, algo não batia bem dentro de mim em aceitar isso.

Até que um dia eu comecei a procurar na net os sintomas que eu estava tendo e fui parar em um destes sites que falam do processo de ascensão. Fiquei muito impressionada com a descrição perfeita de tudo que eu estava sentindo e me lembrei que em 1991, quando ninguém falava de mudança de DNA, um empresário que eu fui entrevistar começou a me falar sobre esse assunto e me disse, inclusive, que eu tinha várias características de quem estava mudando de DNA. Na época, achei o papo estranho, mas como sempre gostei de papo estranho...rs

Pois bem, quando fui toda feliz contar para o sócio sobre minha descoberta, ele começou a rir de mim, perguntando se eu ia virar mestra ascensionada. Confesso que fiquei bem chateada, pois eu estava sofrendo muito com todo aquele processo que, por um lado era emocional, mas, por outro, era muito físico! A cada crise que eu tinha, o meu corpo ficava muito dolorido, pelo tanto que vibrava internamente. Era muito desgastante...

Hoje, não posso dizer que estou totalmente "normal" (diz o marido que eu nunca fui totalmente normal mesmo...rs), mas melhorei muito e tenho certeza que estou no caminho certo para encontrar meu equilíbrio. Resolvi, então, fazer esta postagem e listar meus sintomas, quem sabe desta forma consigo ajudar outras pessoas que estejam passando pela mesma situação.

Sintomas, em ordem cronológica de aparecimento e suas variáveis:

* Taquicardia muito forte
* Cabeça pulsando
* Dores de cabeça variadas e em partes diferentes da cabeça
* Tremedeira
* Dores no peito
* "Secura", como se o emocional estivesse bloqueado, não conseguia chorar
* Vontade de largar tudo e sumir
* Sensação de estar acalorada e muito agitada sempre
* Elevação da pressão arterial (chegou a 14 por 9, sendo que sempre foi 10 por 6)
* Dores "que andam" em especial no peito, braços e mãos
* Estranha vibração que toma o corpo todo, como se as células estivessem acelerando
* Visão turva e ardência nos olhos
* Sensação de estar louca, perdendo o contato com o que chamamos realidade
* Sensação de "algo mexendo dentro da cabeça"
* Pensamentos se atropelam na cabeça e tudo parece muito confuso
* "Premonições difusas", não chegam a se formar completamente, mas é como se fosse "adivinhar" alguma coisa
* Menstruação desaparecida
* Calores que sobem pelo peito, apertam a garganta a ponto de sufocar e espalham pelo rosto
* Falta de libido, apesar de muita energia corporal
* Saúde extremamente boa, imunidade alta (na escola, todos caíram gripados no inverno, eu não)
* Fome muito instável. Ora muita fome, ora fome nenhuma
* Vontade de comer doce (nunca liguei muito)
* Crise de choro com súbita lembranças de fatos da infância

O mais importante durante os sintomas é ter confiança de que tudo vai passar e que quanto mais estivermos tranquilos e entregues ao nosso "Deus Interno", mais fácil será superá-los.



5 comments:

Selena said...

Oi Cacau!
Sei bem o que sentiu...passei por este "tipo" de processo há uns 4 anos atrás...realmente tem vários artigos que falam dessa "mutação"...eu acredito, há quem diga que é uma "ignorância"...loucura...mas paremos e pensemos: se as plantas, os "irmãos menores" (os bichinhos) evoluíram e evoluem....oras...e nós?! Ficamos sempre do mesmo jeito?!

Até brinco as vezes com relação à carne: meu irmão diz que o homem só evolui devido ingerir carne...sua inteligência, raciocínio...eu digo: o homem só sairá do patamar em que se encontra a hora que parar, abster-se da carne! Eu digo! Não tem nada de teoria nisto! hihi

Mas é assim mesmo...nos sentimos acuada, amendrontada, as vezes até sem chão...faz parte! Não fomos nós quem quisemos assim?!

Ah, isto também tem relação com os "Índigos"...é um processo de evolução, não tenha dúvida! Talvez muitos passaram desapercebidamente por esse processo, deixando assim, de saber qual, realmente seu "papel" nesse imenso palco que é a vida terrena!

Beijo de luz e desculpe escrever "esse montão"!!! ... é que adorei o post! :)

Excelente semana pra ti.

Cacau Gonçalves said...

Oi, Selena

Fique a vontade para escrever muitão! :-)

A idéia era mesmo trocarmos idéias por aqui, já que quem sente isso sempre se sente meio isolado do mundo. Nunca me senti tão sozinha em toda a minha vida! Eu relatava o que sentia só para as pessoas da família, pais e marido, mas nada que eu falasse conseguiria descrever a sensação. A gente fica se sentindo muito estranha e não dá para falar de outra coisa em certos momentos...

Espero que mais pessoas que também sentiram isso deixem o seu depoimento aqui, assim temos a chance de compreender melhor tudo que passamos.

beijo!

Selena said...

Cacau!
É isto mesmo! Um "etezinho"...de onde vim, a que estou aqui, pra onde vou?! Báh! Um sentimento de perda, desapego, melancolia, saudade de algum lugar que não sei onde...ao mesmo tempo que é um tanto diferente e assustador, depois fica tudo mais mágico, menos árduo.

Coisas que jamais imaginei ver, sentir, saber que tinham existência... explode, afloram, e aos poucos vamos deixando o pânico, o receio de lado e se sentindo mais "confortável" como nosso NOVO ESTADO DE ESPÍRITO.

Difícil mesmo é querer compartihar com todos e nem todos entenderem...até condenam...acham tudo "maluquice"...bem, "cada cabeça, uma sentença",não é mesmo?!

Beijo n'alma.

Flora Maria said...

Minha querida "mestra ascensionada":

Só posso desejar que tudo isso passe rapidamente, e sei que já está passando...
As naves já estão chegando, não é mesmo ?

Beijo

Rosane said...

Olá Claudinha
Estamos começando a viver um tempo em que os contatos começam a proliferar em todos os níveis,esse aprendizado sobre o DNA nas postagens esclarece o processo dessa mudança no corpo
físico,Tambem sinto vários sintomas seu depoimento me ajudou muuuuito!
Envio vibrações de Luz sempre para
voce.Tenho a certeza que seu espírito muito elevado e iluminado,junto com os mestres que te amparam irão harmonizar rapidamente o seu corpo físico e
seu corpo astral e mental.

Beijos,sou grata,muita paz
Rosane Peon