Saturday, February 20, 2010

Fragmentos de Os Quatro Compromissos

...

Temos um sonho do planeta não funcional e os seres humanos estão mentalmente doentes com uma doença chamada medo. Os sintomas da doença são todos os sintomas que fazem os seres humanos sofrerem: ira, ódio, tristeza, inveja e traição. quando o medo é grande demais, a mente racional começa a falhar, e podemos chamar isso de doença mental. O comportamento psicótico ocorre quando a mente fica tão assustada e os ferimentos doem tanto que parece melhor quebrar o contato com o mundo exterior.

Se pudermos enxergar o estado de nossa mente como uma doença, encontraremos cura. Não precisamos sofrer mais. Em primeiro lugar, necessitamos da verdade, que abre ferimentos emocionais, retira o veneno e os cura completamente. Como fazemos isso? Precisamos perdoar os que sentimos nos terem feito mal, não porque mereçam ser perdoados, mas porque amamos tanto a nós mesmos que não queremos ficar prestando atenção nas injustiças.

O esquecimento é a única forma de cura. Podemos escolher a cura porque sentimos compaixão de nós mesmos. Precisamos deixar o ressentimento sair e declarar: "Basta! Não pretendo mais ser o grande juiz que está sempre contra mim. Não pretendo mais bater em mim mesmo ou me fazer sofrer. Não farei mais parte da Vítima".

Em primeiro lugar, precisamos perdoar nossos pais, nossos irmãos, amigos e a Deus. Uma vez que perdoe a Deus, finalmente você está pronto para perdoar a si mesmo. Uma vez que perdoe a si mesmo, a auto-rejeição em sua mente termina. A auto-aceitação se inicia, e o auto-amor irá crescer tão forte que você finalmente aceitará a si mesmo da forma que você é. Esse é o início do ser humano livre. O esquecimento é a chave.

Você saberá que esqueceu alguém quando enxergar esse alguém e não apresentar nenhuma reação emocional. Você escutará o nome da pessoa e não terá reação emocional. Quando alguém puder tocar o que costumava ser um ferimento e você não sentir mais dor, então saberá que está perdoado.

A verdade é como um bisturi. É dolorosa, porque abre todos os ferimentos criados por mentiras, de forma que possam ser curados. Essas mentiras são o que chamamos de sistema de negação. É uma boa coisa que tenhamos o sistema de negação, porque nos permite cobrir os ferimentos e ainda funcionar. Contudo, uma vez que não se tenha mais ferimentos ou veneno, não precisamos mentir mais. Não precisamos mais do sistema de negação porque uma mente sadia, assim como a pele sadia, pode ser tocada sem provocar dor. É uma sensação agradável para a mente limpa ser tocada.

O problema com a maior parte das pessoas é que elas perdem o controle das emoções. São as emoções que controlam o comportamento dos seres humanos, não os seres humanos que controlam as emoções. Quando perdemos o controle, dizemos coisas que não queríamos dizer e fazer coisas que não queríamos fazer. Por isso é tão importante ser impecável com nossa palavra para nos tornarmos guerreiros espirituais. Precisamos aprender a controlar as emoções a fim de juntar poder pessoal suficiente para mudar nossos compromissos baseados no medo, fugir do inferno e criar nosso próprio céu pessoal.

Como nos tornamos guerreiros? Existem certas características do guerreiro que são aproximadamente as mesmas ao redor do mundo inteiro. O guerreiro possui consciência. Isso é muito importante. Estamos conscientes de estar em guerra, e a guerra em nossas mentes requer a disciplina do guerreiro. Não a disciplina do exterior para nos dizer o que fazer e o que não fazer. Mas a disciplina para sermos nós mesmos, não importa o que aconteça.

O guerreiro possui controle. não controle sobre o outro ser humano, mas o controle sobre as próprias emoções, controle sobre o próprio eu. É quando perdemos o controle que reprimimos as emoções, não quando estamos no controle. A grande diferença entre um guerreiro e uma vítima é que a vítima reprime, o guerreiro controla. A vítima reprime porque tem medo de mostrar emoções, medo de dizer o que deseja dizer. Controlar não é a mesma coisa que reprimir. Controlar é segurar as emoções, a fim de expressá-las no momento adequado, nem antes e nem depois. Por isso os guerreiros são impecáveis. Eles possuem controle completo sobre as próprias emoções e, portanto, sobre o próprio comportamento.

A Iniciação dos mortos: abraçando o anjo da morte

A forma final de obter liberdade pessoal é preparar a nós mesmos para a iniciação dos mortos, para aceitar a própria morte como professora. O que o anjo da morte pode nos ensinar é como viver de verdade. Tornamo-nos conscientes de que podemos morrer a qualquer instante; só temos o presente para viver. A verdade é que não sabemos se vamos morrer amanhã. Quem sabe? Temos a idéia de que possuímos ainda muitos anos no futuro. Teremos?

Se formos aos hospital e o médico nos disser que temos uma semana de vida, o que faremos nesta semana? Como já dissemos antes, temos duas escolhas. Uma é sofrer porque morreremos e dizer a todos: "Pobre de mim, vou morrer!" e realmente criar um grande drama. A outra escolha é usar cada instante para ser feliz, fazer o que realmente gostamos de fazer. Se tivermos apenas uma semana para viver, vamos aproveitar a vida. Vamos ficar vivos. Podemos dizer "Serei eu mesmo. Não pretendo mais dirigir minha vida tentando agradar aos outros. Não vou mais ficar com medo do que eles possam pensam de mim. O que me importa o que os outros pensam do fato que morrerei em uma semana? Serei eu mesmo!"

O anjo da morte pode nos ensinar a viver todos os dias como se fossem o último dia de nossas vidas, como se não existisse amanhã. Podemos começar cada diz dizendo: "Estou acordado, vejo o sol. entregarei minha gratidão ao sol, a tudo e a todos, porque ainda estou vivo. Mais um dia para mim".
Essa é a forma como vejo a vida, e foi isso que o anjo da morte me ensinou - ser completamente aberto para saber que não existe nada a temer. Claro, trato as pessoas que amo com amor, porque esse pode ser o último dia em que terei a chance de dizer a elas o quanto as amo. Não sei se vou vê-las outra vez, por isso não quero brigar com elas.

E se eu tivesse uma grande briga com você e lhe despejasse todo o veneno emocional que tenho, e você morresse amanhã? Opa! Oh, meu Deus, o Juiz iria me pegar de jeito, e eu iria sentir-me culpado por tudo o que disse a você. Iria até mesmo me sentir culpado por não dizer quanto amo você. O amor que me faz feliz é o amor que posso compartilhar com você. Por que eu precisaria negar que amo você? Não é importante que você retribua esse amor. Posso morrer amanhã ou você pode morrer amanhã. O que me torna feliz agora é deixá-lo saber quanto amo você.

Você pode viver assim sua vida. Fazendo isso, prepara-se para a iniciação da morte. O que acontecerá na iniciação da morte é que o velho sonho que você abriga em sua mente vai sumir para sempre. Sim, terá lembranças dos parasitas - do Juiz, da Vítima e das coisas que costumava acreditar - mas eles estarão mortos.

É isso que vai morrer na iniciação da morte: os parasitas. Não é fácil ir para a iniciação da morte, porque o Juiz e a Vítima lutarão com todas as suas forças. Eles não querem morrer. Sentimos que seremos aqueles que vão morrer e ficamos com medo dessa morte.

Quando vivemos o sonho do planeta, é como se estivéssemos mortos. Quem quer que sobreviva à iniciação dos mortos recebe um presente maravilhoso: a ressurreição. Receber a ressurreição é levantar-se dos mortos, estar vivo, ser nós mesmos outra vez. A ressurreição é ser como uma criança, selvagem e livre, mas com uma diferença. A diferença é que temos liberdade com sabedoria no lugar de inocência. Somos capazes de quebrar nossa domesticação, de nos tornar livres outra vez e de curar nossa mente. Rendemo-nos ao anjo da morte, sabendo que os parasitas irão morrer e nós sobreviveremos com uma mente sadia e raciocínio perfeito. Então somos livres para usar nossa própria mente e dirigir nossa vida.

Por isso, na forma tolteca de viver, o anjo da morte nos ensina. O anjo da morte vem até nós e diz "você viu que tudo que exist e aqui é meu, não é seu. Sua casa, sua esposa, seus filhos, seu carro, sua carreira, seu dinheiro - tudo é meu e posso tirar quando eu quiser, mas por enquanto pode ir usando".

Se nos rendermos ao anjo da morte, seremos felizes para sempre. Por que? Porque o anjo da morte leva embora o passado, para que sua vida possa continuar. Para cada momento passado, o anjo da morte continua tirando a parte que está morta e nós continuamos vivendo o presente. Os parasitas querem que continuemos a carregar o passado conosco, e isso torna muito mais difícil o ato de estar vivo. Quando tentamos viver no passado, como podemos aproveitar o presente? Quando sonhamos com o futuro, por que precisamos carregar o fardo do passo? Quando iremos aprender a viver no presente? Isso é o que o anjo da morte nos ensina.

...

3 comments:

Fernanda said...

Lindo trecho, Claudinha! Super profundo, daqueles que dá o que pensar por um tempo. Que livro é esse? Detalhes, detalhes!!

Pimenta said...

Verdade menina, e muito bem escrito e colocado.
Gostaria de linkar lá no meu, pode?
Só tenho uma coisa a acrescentar.
Depois que você se vê livre, não são apenas os seus parasitas que te atrapalham.Os outros percebem que você é diferente, e vão fazer a mesma pressão que o juiz faz, para que você aceite a condição de vitima novamente.
Ainda bem que ganhamos clareza para enxergar isso.
Como disse a Fernanda,detalhes, detalhes!
Gostaria de conhecer o livro.
bjo.
Vim parar aqui atravéz da Hazel!

Cláudia Mello said...

Oi, Fernanda!!

Pois é... Estou encantada com o livro! Já li, reli e agora estou refletindo sobre...

Oi Pimenta!

Seja bem-vinda! :-)

Pode linkar sim... O livro é excelente e provavelmente tem como vc baixar na internet. É simples e sábio. E vc tem toda razão... depois que a gente "coloca a cabeça para fora", quem ainda está mergulhado na lama fica pegando no nosso pé...rs Talvez por isso chamamos de "Caminho do Guerreiro", porque não é fácil!

beijos